SimposioHanse2

Iniciativa faz parte das ações sociais do Dermato Bahia 2017, que ocorre de 7 a 10 setembro, na Costa de Sauípe

Cerca de 250 profissionais do Programa Saúde da Família (PSF) da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS) participaram, na quinta-feira 17 de agosto, do Simpósio em Hanseníase, iniciativa que integra as ações sociais do 72º Congresso da Sociedade Brasileira de Dermatologia (Dermato Bahia 2017), evento que será realizado de 7 a 10 de setembro, na Costa de Sauípe. A atividade teve início às 8h, no auditório da Unijorge, no Comércio, e foi encerrada ao final da tarde.

“O objetivo desse curso é possibilitar que médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família melhorem seus instrumentos, viabilizando, assim, o diagnóstico precoce da hanseníase e da reação hansênica, para que possam instituir o tratamento precoce, evitando, assim, a transmissão e diminuindo a possibilidade de esses pacientes evoluírem para incapacidade física”, disse Heitor Sá Gonçalves, doutor em farmacologia e chefe de Serviço do Centro de Dermatologia Dona Libânia, em Fortaleza. Referência no tema, o médico foi um dos palestrantes da manhã.

Além dele, a programação contou com apresentações do dermatologista e presidente do Dermato Bahia 2017, Paulo Machado. Entre os temas abordados, a situação epidemiológica da hanseníase no Brasil e no mundo, formas clínicas e diagnósticos diferenciais. “É um evento que tem a participação de profissionais do estado e do município. Trouxemos o professor Heitor de Sá Gonçalves, que é um expert em hanseníase, diretor do Centro de Dermatologia Dona Libânia, referência nacional. Por isso o evento está muito bom, e graças também à parceria com a Secretaria Municipal de Saúde.”

SimposioHanse3

Para Helena Gomes Ribeiro, técnica do Programa Municipal de Controle de Hanseníase, é importante levar essas inovações e os novos conhecimentos para os profissionais da atenção primária.

No turno vespertino houve a palestra da técnica de vigilância epidemiológica do município Eloisa Solange Magalhães Bastos, que traçou o perfil epidemiológico da hanseníase em Salvador. “Hoje pude trazer aspectos da hanseníase em Salvador, focando em três importantes indicadores da doença que são o percentual de cura, de contatos examinados e de avaliação em capacidade física desses pacientes. Esse evento é muito importante principalmente por podermos trabalhar juntos para a melhora dos dados da hanseníase”, destacou.

“Foi importante estar aqui falando sobre um instrumento importante que é a avaliação neurológica simplificada que define o grau de capacidade, já que a partir dela é que nós vamos traçar todas as condutas da prevenção de incapacidade, para evitar que pacientes saiam do tratamento com sequelas que vão impactar na sua vida diária e profissional”, explicou a fisioterapeuta da Coordenação do Programa de Hanseníase do município de Santo Antônio de Jesus, Leila Lemos, que também ministrou palestra aos participantes.

Um dos participantes, o fisioterapeuta do Núcleo de Apoio à Saúde da Família, de Cajazeiras, Luiz Fernando Reis Brandão, ficou muito satisfeito com a iniciativa. “O evento foi muito bem organizado, os palestrantes demonstraram um bom entendimento sobre o assunto, com palestras rápidas e bem dinâmicas e com conteúdo transmitido de forma adequada e interessante”, elogiou.